19/12/2016

Lucas.13.5

Minha mulher foi embora, escafedeu-se, deu linha na pipa, não quis nem saber se eu iria sofrer (e olha que eu sofri). Nem se preocupou se eu iria chorar (e olha que eu chorei) Ela foi muito má comigo, a maldade que ela me fez, foi quase dez por cento da maldade que eu fiz a ela.

Ela já tinha programado sua partida fazia tempo, mas o tontão aqui achou que ela não tinha coragem, porque ela era louca por mim. Quanta ilusão!

Lá em casa ficaram algumas coisas dela, uma blusa de malha, um chapéu de palha, seu violão novinho... também pudera! Ela nunca aprendeu a tocar, pra que levar? Deixou também uma bota de cano longo com um par de meias sujas dentro e, em cima de nossa cama (ultimamente era só dela, há muito tempo eu só dormia no sofá)... como eu ia dizendo, em cima da cama ela deixou a Bíblia aberta em Lucas, capítulo 13, grifado com caneta amarela o versículo 5, que eu li e reli inúmeras vezes pra tentar descobrir se ela queria me dizer alguma coisa com isso. Não cheguei a nenhuma conclusão.

Então eu fiz uma coisa que pra mim era um sacrifício, aliás, um enorme sacrifício.

Timidamente, atravessei a portona e entrei no recinto, sentei num banco lá trás, quase os últimos, fiquei prestando atenção nas palavras do padre. É isso mesmo, eu estava numa igreja. Nem eu mesmo estava acreditando. Por um bom tempo, estive tentando entender alguma coisa, mas como eu não tinha costume dessa prática, não entendi nada.

Fui outras vezes, foi a mesma coisa. Então eu mudei de igreja, comecei a ir na igreja de crente.

A princípio também não estava entendendo nada, o sermão do pastor era igual ao do padre, ele pregava sobre Cristo, João, Matheus, Marcos, mas eu queria que ele falasse de Lucas.

Então, uma noite, era domingo, sentou ao meu lado uma loira bonita da cabeça aos pés, trajada igual uma modelo e me cumprimentou: “A paz do Senhor”! Fiquei tão embasbacado, que demorei um bocado pra responder. No meio do culto o pastor pediu: “Abra sua Bíblia em primeira Corintios.13”. Como eu não tinha o livro, ela se ofereceu pra que eu lesse junto com ela e chegou mais perto de mim. Li as primeiras palavras e comecei a cantarolar... ainda que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos... Renato Russo. Mas um sutil beliscão e o seu perfume de deusa me fizeram voltará à realidade, Aí eu me embasbaquei de vez. Na hora descobri que eu era crente de nascença. A partir desse momento, eu passei a esperar ansiosamente os dias de culto e a ensaiar todos os louvores.

Não sei se era coincidência, mas ela sentava sempre ao meu lado, quando não, eu me sentava ao lado dela.

Aquele versículo que foi grifado e deixado em nossa cama (agora só minha). Eu jamais entendi o que ele queria dizer. Também, hoje não importa mais, eu já nem lembro mais daquela nojenta e, pra esquecer de vez, joguei todas suas tranqueiras fora e, junto com elas, foram meu orgulho, prepotência e estupidez

Eu e a loira estamos pretendendo nos casar no ano que vem, é só eu me converter... Mas tá difícil, heim? A paz do Senhor!

COMPARTILHAR

ENVIE SEU COMENTÁRIO

NOME:
EMAIL:
MENSAGEM:
*Seu comentário será avaliado e aprovado antes de ser publicado. E somente aprovaremos comentários com o nome completo e o e-mail do leitor.
- As informações e conceitos emitidos em colunas, matérias e artigos assinados são de inteira
responsabilidade de seus autores, não representando necessariamente a opinião do Plantão da Cidade.