Ponta Grossa
Cidade de Vila Velha
Princesa dos Campos Gerais

 

 



 

 

 

 

 

 

Ponta Grossa, quinta-feira, 24 de setembro de 2009
 
Escolas de Telêmaco Borba ampliam
aprendizado incentivando brincadeiras
Assessoria

Telêmaco Borba dá passos largos rumo ao desenvolvimento, sempre priorizando a educação de suas crianças. É por isso que há 12 anos iniciou o processo de conhecimento repartido de forma ampla e socialmente justa o que significa dizer de um jeito simples que promove para crianças das escolas municipais a oportunidade de reprodução do conhecimento obtido por meio da professora Monica Soltau da Silva, autora da técnica do Clube da Matemática/Matemática de Recreio, que originaram livros sobre aprendizado de exatas, no Colégio Positivo.

Leia também:

Política
»
Câmara de Ponta Grossa não tem
estrutura para mais oito vereadores

» PEC dos Subsídios pode
salvar salários da segurança
Geral
» Barbiero confirma inscrição
de Ponta Grossa no Pronasci

»
Obra dos novos acessos só
depende de ordens de serviço

» Prefeitura trabalha para
viabilizar a 20ª München

» Castro promove Semana do Idoso
» Quero-Quero e Ouro Verde
recebem o “Horta em Casa”

» Clube Estrela da Manhã, de
Tibagi, comemora 59 anos

» Concurso público já conta
com mais de 500 candidatos

» UEPG é destaque
em encontro nacional

» Conferência Municipal de Saúde
de Telêmaco será nesta quinta-feira

» Escolas de Tibagi recebem
recursos do PDE

» Escolas de Telêmaco Borba ampliam
aprendizado incentivando brincadeiras

» Desenvolvimento Urbano de
Castro tem novo secretário

E a parceria deu certo também nas escolas municipais, incluindo o saber que prolifera jogos educativos. São professores, alunos e estudantes de mãos dadas para mais, tanto no setor público quanto no ambiente particular.

A professora Edna Regina Galvão Florindo, da Escola Municipal 31 de Março, inovou e também participa do 3º. Prêmio Municipal Paulo Freire. “Desenvolvi um projeto que amplia o Clube da Matemática às crianças da alfabetização”, revela a mestre. Dessa forma, as crianças de 6 e 7 anos do 1º. ano/1º. ciclo [antiga primeira série] têm mais facilidade de aprendizado.

Antes, o programa era voltado somente para os alunos da 4ª. série, agora, engloba 23 escolas do município, desde a educação infantil [creches] até educação de jovens e adultos (EJA). Dessa forma, os estudantes começam a desenvolver garrafas lógicas, figuras geométricas, indo para brincadeiras com as vogais, consoantes, sílabas, formação de palavras, demonstrando que a matemática promove também alfabetização, entre outros saberes. Nos joguinhos de palavras e junções, a criançada se diverte. “Eu já consigo dizer para meus amiguinhos ai, oi, ei, depende do que estou sentindo...”, conta Lucas.

No que a amiguinha Natieli arremata: “quando ele está com dor, vive dizendo aiiii...”, completa a brincadeira arrancando sorrisos da galerinha miúda, que tem também Walafy, Ariana, e Jenifer. Todos unidos na Matemática de Recreio/Clube da Matemática. As carteiras e pátios das escolas são transformados em locais de jogos produzidos com materiais alternativos de papelão, madeira, plásticos.

Para a coordenadora pedagógica da 31 de Março, Rosilda Antunes Teixeira, o trabalho multiplicado é riquíssimo. “Isso tudo porque se transforma numa forma concreta de aprendizado”. E a diretora da 31 de Março concorda. “Isso é interação, como se tivéssemos ampliado ainda mais os amigos dentro da escola”, comentou Olga Maria de Almeida.

A professora e secretária municipal de Educação, Cláudia Maria da Cruz, revela que o desenvolvimento da criança é promovido por conta do incentivo dos professores, uso de criatividade e conhecimentos básicos sendo aprimorados. “Esse é também o motivo da durabilidade do programa, que chegou aos 12 anos ininterruptos em Telêmaco Borba”.

Entre resultados, além do saber mais amplo, puderam ser vistos mais aprendizado e notas melhores, garantem os envolvidos, pois as notas que eram 4,0 dobraram, tudo por conta do Clube da Matemática/Matemática de Recreio.

O prefeito Eros Danilo Araújo diz que em Telêmaco a ideia é a de multiplicar e intensificar ainda mais as parcerias público-privadas que dão certo. “Nosso slogan é pontual, AçãoeducAção em todos os níveis, com direitos e deveres, no jogo do ganha ganha, principalmente para a nossa comunidade”.

O secretário Geral de Gabinete, professor Sérgio Ubiratã Alves de Freitas, fala sobre a elaboração conjunta. “Nós nos sentimos lisonjeados em desenvolver um projeto tão especial, destacando o trabalho da professora Monica e dos nossos professores da Rede Municipal, a exemplo da professora Edna, uma soma que dá sempre certo, porque tem conhecimento humano e tão bem elaborado”.

Prêmio Escola Voluntária
Na segunda quinzena deste mês, a professora Mônica Soltau detentora do saber que originou livros e a técnica Clube da Matemática/Matemática de Recreio visitou as escolas municipais 31 de Março, Fabiano Braga Cortes e Conselheiro Zacarias quando demonstrou sua técnica junto com os professores e alunos do Positivo e do município para equipes da Rádio Bandeirantes de São Paulo/Itaú Social porque entre 10 projetos nacionais, o seu é o único do Paraná que concorre ao 9º. Prêmio Escola Voluntária do Brasil.

“O prêmio maior já foi conquistado por estarmos classificados entre os 10 do Brasil. Só nos dá muito orgulho, como educadora sou grata e, obviamente, fico na expectativa, mas desde já parabenizo o prefeito [Eros Araújo] e a todos os envolvidos pelo crédito e pela ampliação do projeto”, finalizou a professora.

Ela lembrou também que continua sonhando e quando isso ocorre, os recursos são diferenciados e quem ganha são os “nossos queridos estudantes com aperfeiçoamento, aprendizado, integração e uma maneira lúdica, na qual as crianças aprendem brincando”.

 

 

 

Plantão da Cidade OnLine - Rua Antônio Vieira, 295 - Bairro São José - Ponta Grossa - PR
Jornalista Responsável: Luiz Carlos Castilho
 - RPR (MT) - 4450
Comercial: Maria Jacira Castilho - Telefones: (42) 3028-2377 - (42) 9119-1523
- As informações e conceitos emitidos em colunas, matérias e artigos assinados são de inteira
responsabilidade de seus autores, não representando necessariamente a opinião do Plantão da Cidade